Wednesday, May 31, 2006

O Título sem "Palha" nem Filosofia!


Quando criei um blog, não tinha como objectivo mostrar que penso na vida e na existência. Cada um terá a sua interpretação do que acontece na sua vida, quer isso possua um só significado ou não. Se fosse para isso faria o blog sozinho. Mas não.
Quis então criar um blog para manifestar opiniões, ou informar quem quer que seja que leia este blog, sobre todo o tipo de notícias que me apeteça comentar.
Tenho lido dúvidas, opiniões e comentários sobre o título deste blog, e por isso, como elemento que o baptizou, vou por um ponto final nesta questão. Chega de polémica.

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa simples. Não gosto de teorias.

E que proponho é simples: Que tal olhar para o título de uma forma simples, sem teorias demasiado profundas ou filosofias?

Não digo que nenhum leitor tenha razão naquilo que diz, mas peço que se limitem àquilo que as coisas são. Se eu quisesse complicar teria feito um blog de ciências ou de matemática. Mas eu apenas criei um blog, onde alguns amigos escrevem textos.

“(…)Uma vez, a uma mesa do restaurante Tavares, reunimo-nos alguns amigos: o conde de Ficalho, o Ramalho Ortigão, o Oliveira Martins, o António Cândido, o Carlos Lobo de Ávila e eu. Lembrámo-nos de criar uma sociedade, como muitas que havia já noutros países da Europa. Um lugar onde pudéssemos conversar, debater problemas intelectuais... enquanto se comia. O Ramalho foi quem lançou a ideia e Oliveira Martins quem sugeriu o título, inspirado num comentário de La vie à Paris, de Jules Claretie sobre os grupos jantantes que aqui existiam. Dizia Claretie que esses jantares eram reuniões em que se encontravam os intelectuais «attristés souvent, bien changés, les uns glorieux, les autres battus de la vie». E Oliveira Martins disse: «Battus de la vie! Eis o que nós somos também - Vencidos da Vida. Propusemo-nos dar ao país «Vida Nova» e somos afinal de contas uns Vencidos da Vida».
(…)
Os Vencidos ofereceram o mais alto exemplo moral e social de que se pode orgulhar este país. Onze sujeitos que, desde há seis anos, formaram um grupo, sem nunca terem partido a cara uns aos outros; sem se dividirem em grupos de direita e de esquerda; sem terem nomeado entre si um presidente e um secretário perpétuo; sem arranjarem estatutos aprovados no Governo Civil; sem emitirem acções; sem possuírem hino nem bandeira bordada por um grupo de senhoras 'tão anónimas quanto dedicadas'; sem serem elogiados no Diário de Notícias, estes homens constituem uma tal maravilha social que certamente, para o futuro, na ordem das coisas morais se falará dos onze do Bragança como na ordem das coisas heróicas se fala nos onze de Inglaterra.”

Adaptação de textos de Eça de Queirós, em http://www.vidaslusofonas.pt/eca_de_queiros.htm

Lendo o excerto do texto, será tão simples (para quem nos conhece) identificar certas semelhanças com a nossa vida. Quantas vezes não estamos “nós” na minha casa a discutir sobre variadíssimos assuntos enquanto comemos. Obviamente não pus um nome ao acaso. Mas também as minhas razões nada têm de complicado. Parece-me bastante claro que também procuramos sempre a conclusão certa, a solução mais correcta, aquela que possa ser válida e que seja verdadeira, porque se não, porque discutiríamos? E claro que quando é verdade procuramos viver com ela e espalha-la por todos. Para que quereria eu a verdade? Para dizer que me pertence? Não!
E por fim somos um grupo de pessoas que nunca partiram “ cara uns aos outros;”nunca se dividiram “em grupos de direita e de esquerda; sem terem nomeado entre si um presidente e um secretário perpétuo; sem arranjarem estatutos aprovados no Governo Civil; sem emitirem acções; sem possuírem hino nem bandeira bordada por um grupo de senhoras 'tão anónimas quanto dedicadas'; sem serem elogiados no Diário de Notícias(…)”, etc.
Por tudo isto, e também por ser um admirador dos escritores da Geração de 70, eu dei este título a este blog, acabando (penso eu) assim com todas as duvidas.

8 comments:

Tiago Bianchi said...

à grande Lourenço!! Quem escreve assim não é gago.
Sem dúvida, já não há duvidas, está claríssimo, e é justo!
Deixemo-nos de teorias (eu inclusivé, enfio também o barrete).
Isto promete: Força, coragem!
"Porque começar é de todos, continuar é de santos"

Tiago Bianchi said...

E já agora independentemente do futuro do Blog, que se mantenha a UNIDADE da ANIZADE...

MR_Y said...

anizade =|

Bernardo said...

Ele se calhar quis dizer "granizado"... e olha, com o calor que está, não era mal jogado não senhora....

Bernardo said...

... isto já parece uma piada à Silveira...perdão!

MR_Y said...

Piade à Silveire? Quem é o Silveire?

bicoides said...

esse silveira é o que eu estou a pensar?????

Bernardo said...

o Silveira, o Silveirinha, o Silveiras, o Silveirada, o Cota das Equipas, o Beato-Mor, o diabólico Enviador de SMS de Piadas Secas... o GRANDE João Silveira (atenção, isto pode parecer gozo, mas o joão é um porreiro...)