Thursday, January 24, 2008

E que me dizem a isto?

O que têm a dizer disto?


Ainda seremos nós os vândalos fascistas que defendem a opressão dos pacíficos comunistas que sempre lutaram pela liberdade?
Mas que bela liberdade....
E que civismo!

Que diz a URAP disto?
Para quem defendia que, com a construção do museu, haveria quem fosse peregrinar até Santa Comba Dão para prestar homenagem a Salazar, deve talvez cuidar que se pode trata do contrário...

Sobre o Tema:
No Reverentia, Salazar era Judeu, pelo Prof.HNO

N' O Pasquim, E Hoje, Não Somos Todos Salazaristas?, pelo Corcunda, com base na notícia publicada no SOL

3 comments:

the_hammer said...

Isto de vandalismo, meu caro Lory Boy, é uma coisa muito relativa: se forem skinheads a invadir cemitérios, a profanar túmulos, a sujar paredes com suásticas, ou a sair à rua dando vivas a ditadores como Hitler e Salazar, isso é vandalismo, é ideologia de ódio, é intolerância, e é evidentemente desprezível e condenável.
Mas se forem esquerdistas a ultrajar a memória de pessoas falecidas, a invadir propriedade alheia e a destruir os bens dos cidadãos (como no caso da ceifa à patada em Silves, no Verão passado), a borrar paredes com estrelas vermelhas e solgans revolucionários, e a dar vivas em público a Fidel e Lenine, aí muda o caso de figura: não temos vandalismo, temos revolta contra as injustiças sociais; não temos ideologia de ódio, temos radicalismo jovem e politicamente incorrecto; não temos intolerância, temos irreverência e mentalidade progressista; e isto já não é desprezível, já está longe de ser condenável - é até condição sine qua non para que a sociedade melhore,segundo consta!

Demokrata said...

Quanto mais lhe batem, mais o povo gosta dele.

Um abraço.

Lory Boy said...

Meus caros Demokrata e The_Hammer,

é profundamente irritante a maneira como se vê os media tratarem a notícia.Como se fosse indiferente. Bem sei que a Salazar já é normal ouvirem-se criticas de todos os géneros, mas por amor de Deus, tenham dó. Foi um túmulo, onde um homem está sepultado há quarenta anos. Quase tantos quanto os que teve no governo. Porque é que isto não é notícia?
Porque já é habitual haver cemitérios vandalizados? Por favor, isso ainda é mais um motivo para que se denunciem estes casos!
Porque, como dizem alguns, não se trata de um golpe político? Mas se assim é, então porque não há mais nenhum tumulo violentado?
A única razão para isto, é ter acontecido ao túmulo de Salazar.
O que revela parcialidade, porque independentemente da pessoa em causa, isto é acto ilícito.

Por isso pergunto à URAP o que têm a dizer agora. Se são tão bonzinhos como se manifestam, se Salazar era um injusto, um vilão sem igual, um tirano, etc. que me dizem agora sobre aqueles que agora manifestaram tamanho desprezo por um tumulo onde jaz um morto?
É que nem uma palavra!

Depois, esses senhores e seus simpatizantes, não me chamem de faccioso, fascista ou vingativo. Isso não só revela incultura, como um atentado contra a vida na sociedade plural que tanto propagaram (e sempre me pareceu que a ela apelaram, ou seria só fachada?)

Desculpem o meu logo desabafo meus senhores, e obrigado pela vossa visita, que tanto me alegra.